sábado, 26 de setembro de 2015

Dilma: “Podemos cair, temos que ser solidários”

Da Folha de S.Paulo – Marina Dias, enviada especial a Nova York
A presidente Dilma Rousseff surpreendeu jornalistas nesta sexta-feira (25) ao brincar com seu hábito de andar de bicicleta e as dificuldades políticas que tem enfrentado no governo desde o início de seu segundo mandato, em janeiro deste ano. Em tom descontraído, Dilma falou sobre um episódio, no último dia 16, envolvendo um ciclista acidentado nas imediações do Palácio da Alvorada –na ocasião, a presidente interrompeu suas pedaladas para esperar a chegada do socorro. O homem havia caído ao tentar desviar de um cão.
"Todos nós, que podemos cair, temos que ser solidários", afirmou a presidente. E, após alguns segundos, emendou, sorrindo: "No sentido amplo da palavra".
Questionada sobre as difíceis negociações travadas com o PMDB – partido do vice-presidente, Michel Temer – em torno da reforma ministerial, Dilma voltou a sorrir e, desconversando, disse que tinha que ir embora. A distribuição de cargos de peso, como o Ministério da Saúde, ao PMDB é considerada por petistas a última cartada para desmobilizar um eventual impeachment.
Em viagem oficial aos Estados Unidos, Dilma assistiu nesta sexta ao pronunciamento do papa Francisco na sede da ONU, reuniu-se com auxiliares para acertar detalhes de discursos e das metas do Brasil para redução das emissões de gases do efeito estufa e deu entrevista à emissora de TV americana CNN.
Dilma também teve sua primeira reunião bilateral com o presidente do Irã, Hassan Rouhani. Ela disse que os países estão "retomando as relações" e vão construir "oportunidades" para os empresários dos dois países.
À noite, a petista participou de uma recepção oferecida pelo primeiro-ministro da Suécia, Stefan Löfven, em apoio à implementação da agenda de desenvolvimento sustentável até 2030. Cerca de uma hora depois, deu sua primeira escapada para ir à farmácia e caminhar pelas ruas de Nova York.

Nenhum comentário:

Postar um comentário