quinta-feira, 7 de maio de 2015

Torta trazida por Carlinhos da Cohab ao plenário da Câmara desencadeia mal-estar político entre vereadores de Situação

Momento em que Carlinhos chega ao plenário com a torta e o fardo de água mineral. Fotos: Thonny Hill. / Blog do Ney Lima
Após o término da sessão ordinária da Câmara realizada na tarde desta quinta-feira (07), um episódio inusitado aconteceu na Casa de Leis e que chamou a atenção dos órgãos de imprensa que lá estavam.

Trata-se do roubo da cena causado por uma torta e por um fardo de 12 unidades de água mineral de 500ml levados pelo vereador Carlinhos da Cohab ao plenário e que provocou muitas polêmicas nos bastidores, envolvendo especialmente vereadores de Situação.

Entenda o caso


Durante a reunião, o vereador Carlinhos citou que trouxe uma torta (de vários sabores e mais de três quilos) para que os vereadores a comessem após o fim da sessão, alegando que seria um presente a vereadora situacionista Narah Leandro (PSB), aniversariante do dia.

Evidente que a torta não foi um presente e sim uma resposta do vereador a sua denúncia sobre a licitação de fornecimento de coffee-breaks para eventos da prefeitura municipal. Na licitação, 700 tortas estavam incluídas (cada uma a R$ 120,00) e também vários pacotes de água mineral de 500 ml a valores que, segundo o vereador, estavam acima do preço de mercado.

Carlinhos chegou a apresentar, inclusive, notas fiscais que mostram valores abaixo do preço presente na licitação pelos mesmos itens.
.
Água mineral, que na licitação custaria R$1,70, na nota custa menos de R$ 0,50.
.
Com 3,7kg, nota mostra que torta de três sabores custaria menos que a metade do valor descrito na licitação.

A origem da polêmica


Segundo testemunhas, durante a sessão, o presidente Afrânio Marques (PDT) alegou que a atitude de Carlinhos em querer trazer os produtos ao plenário soaria como desrespeito a Câmara e acionou guardas municipais para que resguardassem a entrada do plenário, para impedir o gesto.
.
.
Ao final da sessão, com a saída dos Guardas, o vereador Carlinhos entrou no plenário segurando à torta e o fardo com 12 unidades de água mineral e serviu aos demais vereadores.
.
Sabor da torta provocou polêmica indigesta.

O mal-estar


Diante do gesto de Carlinhos, alguns vereadores situacionistas se retiraram do plenário.

Zé Minhoca (PSDB), Luciano Bezerra (PR), Narah Leandro (PSB), Francisco Ricardo (PSDB), Pipoca (PMN) e Dida de Nan (PSDB) saíram visivelmente irritados com a situação e foram para o lado de fora da Câmara.

Já Afrânio Marques, Ronaldo Pacas, Zezin Buxin (PSDB) comeram do bolo e o resultado foi indigesto pelo menos para os dois primeiros.
.
.

.

.

Já do lado de fora, nenhum dos vereadores situacionistas quis dar declarações sobre o episódio, mas não escondiam a irritação.

Visivelmente chateados, Luciano Bezerra, Narah Leandro e Dida de Nan, além do secretário de serviços públicos Junior Gomes, questionaram os vereadores em ter ficado para comer da torta.

O mais irritado era Dida de Nan, que chegou a afirmar para Afrânio:

“Rapaz, como você permite um negócio desses?! Você chamou a polícia (guarda municipal) para impedir que Carlinhos entrasse com o bolo.”

A frente de Narah, Leandro, presidente da Câmara foi o primeiro a ser questionado.

Nenhum comentário:

Postar um comentário