segunda-feira, 6 de abril de 2015

Incêndio contaminou água e matou peixes em Santos

Bombeiros observam incêndio no pátio da Ultracargo, em Santos
Bombeiros observam incêndio no pátio da Ultracargo, em Santos: o documento também aponta alteração na qualidade do ar. / Exame.com
incêndio que começou na quinta-feira no pátio da Ultracargo, em Santos, provocou a contaminação da água do canal do estuário e pode ser a causa da morte de milhares peixes.
É o que indica relatório preliminar da empresa enviado à Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental (Cetesb) e divulgado na noite de domingo, 5.
O documento também aponta alteração na qualidade do ar.
Nesta segunda-feira, 6, equipamento do Exército deve monitorar o ar na região.
Segundo o gerente da Agência Ambiental da Cetesb em Santos, Cesar Eduardo Padovan Valente, "a água usada para conter as chamas foi despejada no estuário pelo sistema de escoamento da Ultracargo contaminada com combustível, provocando alteração da temperatura e saturação do oxigênio, provavelmente causando a morte dos peixes".
Entre os animais mortos estão bagres, garoupas e espécies com até 70 centímetros de comprimento. Uma empresa recolhe os peixes mortos.
Ainda no domingo, dos seis tonéis que armazenam combustíveis atingidos pelo fogo, dois permaneciam em chamas.
"Na página da Cetesb na internet, a qualidade do ar na região do incêndio está classificada como N3-Ruim", diz o meteorologista Ivan Gregório Hetem. Segundo ele, a fumaça é mais preocupante do que uma possível chuva ácida.
"A fumaça que está sendo inalada na área do incêndio tem concentrações de SO2 (dióxido de enxofre) muito acima das recomendadas pela Organização Mundial de Saúde. O limite é 40 e o verificado lá é maior do que cem. A melhor providência é se afastar do local."
O dióxido de enxofre - mesmo gás expelido por veículos - é formado a partir da queima da gasolina. Ao reagir com a umidade do ar, ele se transforma em ácido sulfúrico.
A secretária estadual do Meio Ambiente, Patrícia Iglecias, esteve no local anteontem e falou sobre possíveis penalidades à Ultracargo.
"Existe uma legislação estadual. E também é possível aplicar o Decreto Federal nº 6.514. A multa chegaria a R$ 50 milhões, mas aplicação depende de análise mais detalhada."
Medo
O temor dos moradores é fortalecido por especulações, principalmente nas redes sociais. Em nota, a prefeitura de Santos informou que o secretário estadual da Segurança Pública, Alexandre de Moraes, determinou uma investigação "para apurar a autoria de diversos boatos criminosos".
Os responsáveis pelas mensagens falsas "serão responsabilizados criminalmente", segundo a prefeitura.
O maior receio da população é sobre uma possível chuva ácida. "Ela faz mal à saúde. Por isso, deve-se evitar a exposição. Em uma chuva forte, a nuvem carregada vem de outro lugar e desaba. Como as gotas são grandes, dão uma espécie de 'abraço' no ácido, que é diluído e empurrado para o solo. E o ar fica limpo", diz Hetem.
Segundo o meteorologista, porém, a concentração de ácido é maior em uma chuva fraca.
Em Santos, por enquanto, está descartada a possibilidade de retirada dos moradores das imediações do terminal da Ultracargo.
"Os produtos químicos que poderiam causar dano à população já foram retirados dos tanques próximos do incêndio", diz o coordenador da Defesa Civil estadual e chefe da Casa Militar do Estado, José Roberto Rodrigues Oliveira.
"Todos os órgãos envolvidos estavam totalmente preparados, caso houvesse risco de vazamento de fumaça tóxica na atmosfera, para remover aproximadamente 400 pessoas da Alemoa."
As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário