segunda-feira, 23 de março de 2015

O Mais Médicos: a outra versão

Carlos Brickmann

O programa Mais Médicos é uma resposta positiva às manifestações de 2013, com o objetivo de atender à população carente sem acesso à saúde. Só que não. Hoje, já se sabe que essa história é lenda. O ótimo repórter Fábio Pannunzio, da Rede Bandeirantes, desencavou uma gravação não autorizada da reunião em que se combinou a trama clandestina entre cubanos, Governo brasileiro e Organização Pan-Americana de Saúde, Opas.
A coordenadora da Opas, Maria Alice Barbosa Fortunato, diz: "Se a gente coloca ‘governo cubano’, se o nosso documento é público, qualquer pessoa vai entender que a gente está driblando a coisa de fazer acordo bilateral e pode dar uma detonada." Para fingir que não era acordo bilateral e ocultar o objetivo real de trazer cubanos e transferir dinheiro brasileiro para Cuba, sugere a inclusão de uns poucos médicos de outros países. "A gente pode colocar (...) Mercosul e Unasul, para tirar o foco de Cuba (...)"
Estaria o Governo brasileiro a par de tudo ou a iniciativa seria de funcionários ativistas? O Governo sabia de tudo. O assessor para Assuntos Internacionais do Ministério da Saúde, Alberto Kleinman, diz que salários e forma de pagamento tinham sido definidos por Marco Aurélio Garcia, assessor internacional da Presidência. Seriam 60% para o Governo cubano e 40% para os médicos. O contrato que definiu o envio de dinheiro brasileiro a Cuba - mais da metade do salário de cada médico - foi redigido no fim de 2012. E ficou guardado até o meio de 2013, quando o programa surgiu como se atendesse às manifestações.

Nenhum comentário:

Postar um comentário