sábado, 14 de março de 2015

O HERÓI DO BRASIL

*Dr. Paulo Lima

Eu deveria ter posto outro título nestas mal traçadas linhas, mas, se o fizesse talvez a maioria dos poucos que me lêem abandonaria a leitura de imediato, já que o povo está com as medidas cheias dessa gente! Acho que vocês já imaginam a quem estou me referindo, mas não abandonem a leitura agora; leiam mais um pouco.

Embora não seja psicólogo, longe disso, tenho matutado nesses últimos dias sobre a índole do brasileiro e, sinceramente, nunca vi um povinho prá gostar do que não presta! Até parece que o brasileiro sofre de uma eterna síndrome de “Macunaíma”, o malandro e herói sem caráter imortalizado pela obra literária de Mário de Andrade. Pois é, minha gente, quando será que o brasileiro vai se levar a sério e deixar de querer levar vantagem em tudo, fazendo uso da famigerada “Lei do Gerson”? Com efeito, entra ano e sai ano e a história é sempre a mesma; quando tem início o período eleitoral o que mais se vê são as postagens nas redes sociais esculachando os políticos, gente dizendo que desliga a tevê com meia hora de antecedência do horário político, mas quando chegam às eleições lá vamos nós, eu inclusive, sufragar nas urnas o nome do nosso herói, o político por nós escolhido para, um, dois ou no máximo três meses após, voltarmos a esculachar a classe política, principalmente aquele ou aquela em que confiamos o nosso voto. 

Outros tantos descem a lenha generalizando a todos, mas se alguém perguntar em que deputado ou senador votou nas últimas eleições é capaz de nem lembrar. A quem interessar, vou logo adiantando que até o momento não me arrependi de ter votado na Presidente DILMA ROUSSEF, mesmo correndo o risco de algum de vocês nunca mais ler o que escrevo. Mas, como não pretendo servir de advogado da nossa mandatária é melhor parar por aqui e voltar ao que interessa.

Disse certa feita o dramaturgo Bertold Bhecht, a seguinte frase: “Triste de um povo que ainda precisa de heróis!” Mas, convenhamos, o que seria da democracia se não existissem esses heróis, salvadores da pátria e das classes menos favorecidas, que costumam aparecer de quatro em quatro anos? Por falar nisso, se alguém começasse a fazer uma contagem sobre as frases mais repetidas num período eleitoral essa – as classes menos favorecidas – ganharia de lambuja!  E digo isto porque prefiro mil vezes a pior democracia à melhor das ditaduras, embora existam ainda alguns imbecis, saudosistas, que, vez por outra ousam bradar aos quatro ventos pela volta dos militares ao poder, esquecendo que esse foi o período mais sangrento de nossa recente história contemporânea e tal idéia só cabe mesmo na cabeça de um jumento, com perdão ao querido jerico, animal sagrado para o sertanejo sofrido, imortalizado na canção do grande Luiz Gonzaga. Hoje não tem grande serventia no transporte do sertanejo, já que foi substituído pela famigerada e mortal “cinquentinha”. São os ares do progresso chegando aos sertões, diriam vocês e, na minha opinião, digo que é a carona oferecida aos incautos pela “Caetana”, no dizer do imortal Ariano Suassuna.

Eu sei – e vocês hão de concordar – que, embora no mais das vezes o povo procure um santo ou mesmo um herói em tempos de eleição, parece que no frigir dos ovos ele vota justamente naquele em que mais se identifica e acredito que aí esteja a explicação, pois caso contrário não escolheria tão mal. Se alguém de vocês quiser exemplos concretos basta ler os jornais ou mesmo acessar a internet, num desses blog´s que falam de política e verão jorrar os “Renan Calheiros”, “Eduardo Cunha”, “Sérgio Guerra”, “Eduardo Campos” e similares, mas, e quem votou nesses elementos, será que pensava que estava votando em heróis nacionais? Certamente estava votando num personagem no qual gostaria imensamente de estar no seu lugar. Esta é a grande verdade. Está aí a explicação. Pode ser simplista, mas não conheço outra mais razoável, até que alguém me prove o contrário, ou traga a baila uma teoria mais convincente. O mais interessante é que a gente sempre vive a procura desses heróis, como uma necessidade vital. Coisas de brasileiro.

Em tempo: dedico estas mal traçadas linhas ao povo de nossa terrinha. A rima não foi proposital.

Um abraço a todos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário