sexta-feira, 28 de novembro de 2014

PSB escala o muro: nem oposição nem situação

Josias de Souza (Blog)

 Política é a arte de aproveitar as oportunidades. Mas certos partidos não perdem a oportunidade de perder uma oportunidade. Foi o que fez nesta quinta-feira o PSB. Velho aliado de Lula e do petismo, foi à sucessão de 2014 vestido de oposição —primeiro com Eduardo Campos, depois com Marina Silva. No segundo turno, aliou-se à candidatura sobrevivente do tucano Aécio Neves.


Pois bem. Quando se imaginava que a legenda estivesse enfiada numa trincheira, preparando-se para 2018, ela ressurge no alto do muro. Reunida nesta quinta-feira (27), a Executiva do PSB decidiu: nem oposição nem situação. Adotará a linha da “independência propositiva”, seja lá o que isso signifique.

O PSB decidiu também proibir seus filiados de aceitar cargos no governo de Dilma Rousseff. Uma proibição inócua, já que não veio acompanhada da fixação de um castigo para quem desrespeitá-la. De resto, não há notícia de que Dilma tenha a intenção de convocar alguém do PSB para sua equipe.

Oposição, como se sabe, é oposição. O resto é armazém de secos & molhados. O PSB está separado por uma letra daquele PSDB que já cansou até o tucanato. O perigo para quem escala o muro é descer do lado errado.

Nenhum comentário:

Postar um comentário