terça-feira, 7 de outubro de 2014

Roberto Celestino: o poeta cordelista de Taquaritinga do Norte

E tudo começou há dez anos, quando Roberto Celestino escreveu a primeira poesia. Assim como o título, “O tempo”, seu texto  foi esquecido por quase um ano. Sem intenção, o poema  foi encontrado, relido e adorado  por seu autor, que decidiu transformar a poesia em cordel.  Hoje, aquele texto despretensioso foi o pontapé inicial para o cordelista transformar  em  exercício, onde a cada novo que escreve busca perfeição, tendo como resultado dezenas de folhetos de  cordéis impressos.

Em sua trajetória pela literatura de cordel, seja através do poema popular, oral ou impresso em folhetos, Roberto Celestino, viaja pelo universo do cotidiano, histórico, biografia, religiosos, temas, entre outros. Entre esta gama de variedade temática, existem diferenciais na produção textual para manter uma organização dos versos, rima e métrica e muita imaginação.

O autor explica que para os cordéis históricos, religiosos e biografias são uma criação que tem um auxílio, como um histórico, que necessita apenas ser organizado em versos. Já aqueles que são criados pela imaginação, tem um toque de prazer na elaboração. “Às vezes tem uns mais trabalhosos. Certa vez uns estudantes me pediram para fazer um cordel sobre um assunto em Química e Física, e uma professora me pediu um sobre TDAH (Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade), imagine você colocar rima e metrificar um negócio desses, nesses a gente sofre mais, mas toma como um desafio e são criados”, ressalta o cordelista.


O autor Roberto Celestino, busca diferentes temáticas, desde cotidiano até religioso, para criação dos seus cordéis.

Na vertente religiosa, o autor tem um projeto intitulado “O Evangelho de Marcos em Cordel”, que visa transforma o evangelho na forma de poesia, mais precisamente em cordel. “Sei que a Bíblia é um livro difícil de ser lido, então, pensei em apresentar um de seus livros no formato de poesia popular, e tornar a sua leitura atraente e prazerosa. Escolhi o Evangelho de Marcos por ser o menor em número de capítulos”, enfatizou Roberto. O projeto está em construção e em breve será lançado.

O público pode apreciar os cordéis de Roberto Celestino, através do facebook, nos blogs Poesia e Cordéis ou Eu também vou reclamar e os impressos estão disponíveis em bancas de revista de sua cidade, Taquaritinga do Norte, também em Caruaru e Santa Cruz do Capibaribe, mas pretende expandir à outras cidades. Se alguém que não tem acesso a esses locais se interessarem, pode entrar em contato com o autor pela página do facebook que irá providenciar o que deseja.

Por Juliana Braga / Central PE

Nenhum comentário:

Postar um comentário